A herança genética do transtorno bipolar (TB) é bem documentada em estudos realizados com famílias, com gêmeos e com filhos adotados. Os estudos realizados com familiares indicam que o risco de um filho desenvolver o TB quando um dos pais é portador situa-se em torno de 25%; quando tanto o pai como a mãe são portadores de TB, a chance de um filho apresentar sintomas de TB situa-se em torno de 75%. Confirmando a importância da herança genética do TB, estudos que foram realizados com gêmeos monozigóticos (“idênticos”, que compartilham a mesma carga genética) e dizigóticos (“diferentes”, que compartilham parte da carga genética) descreveram que a herdabilidade do TB situa-se em torno de 70% a 80% dos casos.